Na hora certa!

Notícias atualizadas do Brasil, Portugal, Itália, Alemanha, Reino Unido e Irlanda

Não perca a chance! Clique na imagem do Curso de Italiano!

HACCP - curso de higiene alimentar de alimentos e bebidas.

Conhecer, conservar, transformar e cozinhar os alimentos da maneira correta, em conformidade com o APPCC (HACCP).

Intro

  • Restos mortais de cachorros são achados em estrada rural de Ji-Paraná, RO
    on fevereiro 18, 2020 at 7:31 pm

    Animais estão sendo jogados há cerca de 15 dias no local, dizem moradores. Polícia Civil investiga. Restos mortais de cachorros são encontradas em estrada rural de Ji-Paraná Restos mortais de cachorros foram encontrados na linha Gazole, que fica a cerca de 7 quilômetros de Ji-Paraná (RO), região central do estado. Moradores da área estimam que os animais foram jogados no local dentro de sacos de ração há pelo menos 15 dias. A Polícia Civil investiga o caso. A Rede Amazônica esteve no local onde os cachorros estão sendo jogados e abandonados. Por conta da decomposição dos animais, que acontece a céu aberto, o mau cheiro é forte e atrai urubus. Os restos mortais ficam espalhados no decorrer da estrada. Em um vídeo enviado à reportagem mostra que um cachorro, ainda com vida, foi abandonado no local. Uma organização não-governamental em Ji-Paraná chegou de resgatar o animal, que acabou não resistindo. Em nota, a Prefeitura de Ji-Paraná informou que o Centro de Zoonose e a Vigilância Sanitária recebeu a denuncia e que é possível que quem esteja fazendo essa ação seja uma clínica particular ou clandestina. A Policia Militar Ambiental (PMA) informou que após serem chamados, uma patrulha foi enviada no local. Segundo o sargento Trindade, os cachorros estavam sendo jogados há mais ou menos 15 dias na área, conforme as informações colhidas com moradores.

  • Após ofício do MEC, Ifro suspende nomeações de servidores e contratações de professores substitutos
    on fevereiro 18, 2020 at 7:25 pm

    Reunião entre representantes de institutos federais tentar reivindicar a revogação do ofício. Em documento, MEC cita regra que impede aumento de despesa sem a fonte de pagamento prevista. Campus do Instituto Federal de Rondônia em Porto Velho Ifro/Divulgação O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Rondônia (Ifro) informou nesta terça-feira (18) que suspendeu a nomeação de servidores efetivos, a contratação de professores substitutos e o quantitativo definido na última reunião do Colégio de Dirigentes. A ação é reflexo do ofício do Ministério da Educação (MEC) que veda o aumento de despesas com pessoal ativo e inativo que não estejam previstos no orçamento de 2020. O documento foi enviado à universidades e institutos federais do país. Em nota, o Ifro informou que todos os representantes de institutos federais estão em Brasília nesta terça-feira (18) para reunião ordinária do Conselho Nacional das Instituições da Rede Federal de Educação Profissional Científica e Tecnológica (Conif). Uma das pautas do encontro é tentar reivindicar a revogação do ofício publicado pelo Governo Federal. Leia a íntegra da nota do Ifro: "As instituições federais de ensino foram notificadas por meio do Ofício Circular nº 8/2020/GAB/SPO/SPO-MEC da Subsecretaria de Planejamento e Orçamento, de 4/2/2020, que determina: “Posto isso, as Unidades Orçamentárias vinculadas ao Ministério da Educação, ao promover novos atos que aumentem as despesas com pessoal ativo e inativo, benefícios e encargos à servidores e empregados públicos, devem observar as legislações pertinentes e abster-se de realizá-las em montantes cujos totais não estejam devidamente autorizados.” Desta forma, ao primar pelos direitos dos servidores, no IFRO será mantido o pagamento de benefícios, conforme legislação pertinente. Estando suspensas, no entanto, nomeação de servidores efetivos e contratação de Professor Substituto além do quantitativo definido na última reunião do Colégio de Dirigentes. Todos os representantes de Institutos Federais estão em Brasília nesta terça-feira (18/02/2020). Nesta Reunião Ordinária do CONIF (Conselho Nacional das Instituições da Rede Federal de Educação Profissional Científica e Tecnológica) está na pauta o Ofício Circular, visando obter encaminhamentos para uma ação conjunta da Rede Federal no sentido de reivindicar a revogação dos atos publicados pelo governo federal e que levaram a essa situação." O G1 entrou em contato com a assessoria do Ifro solicitando detalhes do quantitativo definido na reunião do colégio de dirigentes e, até a última atualização desta reportagem, não obteve resposta. O documento Ofício do MEC veda contratação de professores Reprodução/G1 De acordo com o ofício do MEC, as instituição devem "observar a legislação" ao promover "novos atos que aumentem as despesas com pessoal ativo e inativo", incluindo "benefícios e encargos à servidores e empregados públicos" e "abster-se de realizá-las em montantes cujos totais não estejam devidamente autorizados". Com isso, além da contratação de novos professores, poderão ser vedados pagamentos como a promoção por especialização (como quando os professores obtêm título de doutorado), adicional por insalubridade ou periculosidade, substituições de chefia, auxílios maternidade e pré-escolar, entre outros. O problema ocorre quando as leis são sobrepostas – como a Lei de Responsabilidade Fiscal sobre a trabalhista.

  • Médico é preso por aplicar remédio abortivo na namorada grávida, em RO
    on fevereiro 18, 2020 at 7:15 pm

    Suspeito prestou depoimento e vai aguardar audiência de custódia, em Ariquemes. Mulher segue internada, mas bebê não foi abortado, diz polícia. Aborto por terceiros: Mulher denuncia namorado médico por suposta aplicação de abortivo A Polícia Civil confirmou, na tarde desta terça-feira (18), que prendeu o médico de 36 anos suspeito de aplicar uma injeção abortiva na namorada grávida em Ariquemes (RO). O profissional de saúde deve ficar preso até passar por uma audiência de custódia. A vítima segue internada e não perdeu o bebê após a aplicação do remédio, informou a polícia. O suspeito prestou depoimento ao delegado Lucas Torres durante a manhã desta terça-feira. O conteúdo do interrogatório não foi divulgado para não atrapalhar as investigações. Porém, após o interrogatório, o médico continuou preso em uma cela do presídio local. Segundo a polícia de Ariquemes, o homem deve passar por uma audiência de custódia na quarta-feira (19), quando será decidido se ele vai poder responder pelo crime em liberdade. Ataque contra a namorada O médico de 36 anos é o principal suspeito de ter tentado provocar um aborto na namorada, de 21 anos. Na noite de segunda-feira (17), a jovem contou que recebeu, sem consentimento, uma injeção abortiva. Segundo relato da vítima, o crime teria acontecido depois do casal sair de um motel e ir até a casa do médico. Enquanto estava na casa, o namorado lhe ofereceu uma massagem, momento que o suspeito teria amarrado as mãos da vítima com uma calcinha. Usando uma seringa, o homem teria aplicado uma substância na jovem, que está na 9ª semana de gestação. A vítima alega ter entrado em luta corporal com o suspeito, mas este a dominou e colocou uma substância em seu nariz, onde acabou adormecendo. Ao acordar, a jovem diz que estava sangrando nas partes íntimas e que o namorado se recusou a levá-la embora. "Ele disse que a medicação era para meu próprio bem", afirmou a mulher em depoimento. Depois da namorada insistir, o médico levou a jovem até a casa da tia, que então socorreu a gestante à Unidade de Pronto Atendimento (UPA). Na unidade foi constatado a tentativa de aborto contra a mulher. Segundo a Polícia Civil, a jovem não perdeu o bebê e prestou depoimento por videoconferência nesta terça-feira. A vítima segue internada no hospital de Ariquemes.

  • Carnaval 2020: 120 mil preservativos serão distribuídos durante a folia em Porto Velho
    on fevereiro 18, 2020 at 6:33 pm

    Unidades terão plantão para atender vítimas de violência sexual. Ações de prevenção de ISTs foram anunciadas nesta terça-feira (18). Cerca de 120 mil camisinhas serão distribuídas no período de carnaval, em Porto Velho. Diêgo Holanda/G1 Cerca de 120 mil preservativos devem ser distribuídos durante o carnaval em Porto Velho. A informação foi divulgada pela Secretaria Municipal de Saúde (Semusa) durante coletiva de imprensa nesta terça-feira (18). O material será distribuído aos foliões em unidades de saúde e pelos próprios blocos durante as comemorações de Momo. Segundo o Departamento de Vigilância em Saúde da secretaria, o Ministério da Saúde enviou para Porto Velho 60 mil preservativos masculinos, 60 mil femininos e 60 unidades de gel lubrificante. Blocos e organizações não-governamentais receberam os preservativos e lubrificantes e ficarão responsáveis pela distribuição gratuita. A Semusa também recebeu reforço no estoque de testes rápidos para quem procurar o serviço antes e depois da folia. Os testes são realizados em todas as unidades básicas de saúde, assim como a distribuição das camisinhas. De acordo com a secretária Eliana Pasini, o planejamento inclui a preparação das unidades de saúde, ações de prevenção de Infecções Sexualmente Transmissíveis (ISTs) e conscientização quanto ao consumo exagerado de álcool. "Como o carnaval é uma época de festas, que dura vários dias e algumas pessoas se excedem, então nós temos que orientar quanto aos cuidados. Que a população contribua pra que a gente não tenha muitos acidentes, doenças, gravidez indesejada", disse. A coordenadora da vigilância das violências Itaci Ferreira lembra que acontecem muitos casos de violência sexual nesta época e reforça a importância da denúncia e busca por tratamento de saúde, a fim de evitar infecções e gravidez indesejada. "Em caso de violência sexual nós temos um relógio que a gente corre contra o tempo. Nós temos que entrar com toda a medicação retroviral, a pílula do seguinte. É a prevenção e a mitigação de um mal maior que são as doenças sexualmente transmissíveis", afirmou. O prazo para quem se expôs em uma relação desprotegida procurar uma unidade de saúde para receber a medicação é de 72 horas, mas quanto mais rápido for o atendimento, maior a chance de eficiência no tratamento. Veja qual unidade procurar em caso de exposição: Crianças até 12 anos - Hospital Infantil Cosme e Damião Meninas a partir de 12 anos - Maternidade Mãe Esperança Meninos a partir de 12 anos - UPAs Sul e Leste

  • VÍDEOS: JRO 1ª edição de terça-feira, 18 de fevereiro de 2020
    on fevereiro 18, 2020 at 5:47 pm

    Assista aos vídeos do telejornal com as notícias de Rondônia. Assista aos vídeos do telejornal com as notícias de Rondônia.

  • +Leite: Embrapa e Ifro lançam aplicativo para diagnóstico produtivo do rebanho leiteiro
    on fevereiro 18, 2020 at 5:24 pm

    Aplicativo é gratuito e permite que usuário tenha maior controle no desempenho do rebanho leiteiro. Tecnologia visa melhorar a eficiência zootécnica e aumentar a renda na propriedade leiteira. + Leite é lançado em Rondônia Rafael Rocha/Reprodução Buscando elaborar melhorias para a pecuária, pesquisadores da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) e Instituto Federal de Rondônia (Ifro) lançaram nesta terça-feira (18) um aplicativo que ajuda o produtor rural no controle do desempenho leiteiro do rebanho. Chamado de ‘+Leite’, o aplicativo gratuito está disponível para Android e é acessível para a maioria dos sistemas de produção de leite no Brasil, onde busca atender às necessidades dos produtores que não costumam realizar um controle mais apropriado do rebanho. O professor e pesquisador do Ifro, Kaio Alexandre, é responsável pelo desenvolvimento do aplicativo. Ele contou ao G1 que a ideia principal era desenvolver algo aos produtores rurais e extensionistas da Embrapa que proporcionasse maior controle zootécnico e também apresentasse soluções para gerar mais rentabilidade no setor leiteiro. “Antes, pela planilha manual, os produtores e extensionistas só sabiam se a produção leiteira estava ótima, boa, regular, ruim ou péssima. Com o aplicativo a gente consegue apresentar soluções para o fazendeiro melhorar a produtividade do rebanho”, contou o pesquisador. Professor do Ifro fala sobre aplicativo +Leite Vitória Gomes/G1 Segundo Luiz Pfeifer, pesquisador da Embrapa, agora o fazendeiro obtém dados no celular que podem ajudá-lo na tomada de decisão em relação ao manejo nutricional e reprodutivo do rebanho. Já o técnico poderá ter um mapa das propriedades atendidas, além de poder acompanhar a evolução produtiva. Como funciona o aplicativo? Após baixar o +Leite no celular, o usuário primeiro informar a data do parto ou se a vaca está sem lactação, indicando a distribuição dos partos do rebanho. Essa informação está diretamente relacionada com a eficiência reprodutiva. Aplicativo mais +Leite deve ajudar produtor e pesquisadores Rafael Rocha/Embrapa Logo depois é preciso inserir o escore de condição corporal (ECC), que está relacionado com a condição nutricional do rebanho. O próprio aplicativo mostra exemplos da condição corporal de algumas vacas para que o produtor possa se basear. Com isso, o software calcula o índice de escore de condição corporal (IECC) de acordo com a fase de lactação e o índice de eficiência reprodutiva (IER), que indica a proporção de animais em cada fase de produção. A tecnologia também informa o índice de eficiência zootécnica (IEZ) do rebanho. Os índices de ECC, de ER e EZ de cada rebanho avaliado são classificados em uma escala percentual de eficiência que vai de zero a um, em que zero é péssimo e um é excelente. Além disso, a ferramenta fornece recomendações sobre quais animais devem ganhar ou perder peso e se as fêmeas devem estar prenhas ou secas. O aplicativo ainda armazena relatórios para que seja possível comparar a evolução zootécnica da propriedade e também comparar a eficiência entre rebanhos. Os pesquisadores destacaram a facilidade de uso e a melhoria do desempenho zootécnico do rebanho. “As informações sobre o nível de produtividade, extraídas nos relatórios, permitem ao produtor ter acesso às informações que passam despercebidas e são fundamentais para atingir a máxima eficiência da propriedade”, afirma Pfeifer. * Estagiária sob supervisão de Jônatas Boni

  • Após Papa rejeitar proposta de ordenar padres casados, arcebispo de RO diz que igreja foca na 'ecologia integral' da Amazônia
    on fevereiro 18, 2020 at 5:15 pm

    Dom Roque Paloschi, também presidente do Cimi, faz parte do conselho pós-sinodal. Papa Francisco descartou ainda ordenação feminina. Dom Roque Paloschi. Guilherme Cavalli/Cimi Dom Roque Paloschi comentou sobre a decisão do Papa Francisco de não autorizar a ordenação de homens casados como padres na Amazônia, revelada na última semana. Segundo o arcebispo de Porto Velho, que é um dos membros do conselho pós-sinodal, o foco é em "novos caminhos à organização da igreja e para uma ecologia integral". Segundo o texto, Papa Francisco também descartou a possibilidade da ordenação do diaconato feminino. As duas medidas foram apresentadas durante o Sínodo para a Amazônia, que ocorreu em outubro do ano passado, no Vaticano. O objetivo dos bispos até então era suprir a falta de padres na região amazônica. A possível ordenação de homens casados chegou a ser aprovada durante o encontro dos bispos por 128 votos a 41. Mas não foi mencionada na chamada "Exortação Apostólica Pós-Sinodal Querida Amazônia" – que serve para instruir e encorajar os fiéis católicos, entretanto sem definir a doutrina da igreja. Veja ponto a ponto as principais análises e propostas do Sínodo da Amazônia "A proposta de ordenação de homens casados entrou sim de estudo. Para o diaconato feminino também. Mas o foco do Sínodo não era isso. Os novos caminhos em si eu não sei, mas sei que estamos convidados a caminhar juntos com outros irmãos e irmãs para a igreja na região amazônica à luz do documento final de outubro de 2019 e à luz também da exortação", declarou Dom Roque, que também é presidente do Conselho Indigenista Missionário (Cimi). Papa Francisco em audiência semanal no Vaticano. Remo Casilli/Reuters Na contramão da rejeição, Paloschi diz que Papa Francisco valoriza a proposta e pede que a reflexão sobre as possibilidades, que seguem em pauta na igreja há anos, continue sendo feita. Para o arcebispo, não é um ponto final. "Ele não trancou. Ele prometeu dar continuidade a esse caminho de discernimento, de construção, de um caminho de uma igreja que seja para a comunhão e não para a divisão. Mas também não dá para dizer que pelo Papa não deu autorização, acabou. Não. A história continua. O caminho continua. Temos que acreditar nos caminhos de uma igreja em comunhão”. Após o Sínodo à Amazônia, Dom Roque contou ao G1 que por 1.050 anos padres casavam. O arcebispo concordou que, hoje em dia, há comunidades que não têm a possibilidade de ter um ministro ordenado padre nas condições atuais determinadas pela Igreja Católica, como por exemplo, a celebração da eucaristia mais de duas vezes por ano. "O atendimento da confissão, a unção dos enfermos e aquilo que é próprio do ministro ordenado. O sínodo apresenta para o Papa esse desafio", disse à época. Dom Roque Paloschi conversa com Papa Francisco durante o Sínodo dos bispos da Amazônia, no Vaticano. Arquivo pessoal Sínodo para a Amazônia O sínodo que tratou sobre a Amazônia foi convocado em outubro de 2017 pelo Papa Francisco. A ideia, segundo o Vaticano, foi debater as dificuldades de a Igreja atender os povos da região, especialmente os indígenas. Bispos de nove países que fazem parte do bioma amazônico participaram da reunião. Do grego "sýnodos", significa reunião. Ou seja, pode ser qualquer reunião entre os católicos. Em 1965, Paulo VI criou o Sínodo dos Bispos. A ideia é reunir Papa e Bispos para discutir temas importantes de cunho religioso ou não. Sínodo dos jovens e família é o antecessor da Amazônica. Papa Francisco com os participantes da assembleia especial do Sínodo dos Bispos sobre a Amazônia Divulgação/Vatican News



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *