Na hora certa!

Notícias atualizadas do Brasil, Portugal, Itália, Alemanha, Reino Unido e Irlanda

Intro

  • Governo Federal libera R$ 16 milhões para Canal do Sertão
    on setembro 23, 2019 at 11:34 am

    Dos R$ 60 milhões que o governo Federal empenhou em julho passado para a continuação das obras do trecho quatro do Canal do Sertão, liberou apenas R$ 16 milhões. A informação foi revelada pela assessoria de Comunicação da Odebrecht Engenharia & Construção. A empresa soube da liberação pelo Ministério do Desenvolvimento Regional, que vai encaminhar o montante do custeio da obra para a Secretaria de Estado de Infraestrutura (Seinfra). Esta, por sua vez, ao receber a verba, deverá fazer o repasse à construtora. O trecho quatro do canal entre os municípios de Igreja Nova e São José da Tapera tem custo previsto em R$ 90 milhões, dos quais R$ 30 milhões foram repassados no início do ano. Este perímetro é de 30 quilômetros de extensão. 87% da obra foi concluído, segundo explicou o engenheiro responsável Pedro Leão. O valor liberado corresponde a pouco mais da metade do total da dívida relativa a serviços já executados. Em matéria publicada neste final de semana, pela Gazetaweb e Gazeta de Alagoas, o engenheiro responsável pela construção do trecho quatro do Canal do Sertão explicou que já estão prontos e com água 110 quilômetros do canal. O projeto original prevê a construção de 250 quilômetros de canal cortando o Sertão e o Agreste, até o município de Arapiraca. Até o final do ano passado, o canal empregava cerca de 800 empregados. Por conta dos atrasos no repasse, a empresa foi obrigada a promover demissões em massa. Hoje estão trabalhando cerca de 200 operários. No último dia 13, trabalhadores e desempregados fizeram um protesto na AL-220, no município de São José da Tapera, para chamar a atenção do desempregado e cobrando a continuação da obra que, além de reduzir o drama da longa estiagem no semiárido, hoje é alternativa de trabalho para os sertanejos. A obra entrou num ritmo crítico e anda lentamente, revelaram os manifestantes. A construtora, na nota divulgada, afirma que, "apesar dos desembolsos não acompanharem o ritmo das obras, estas seguem sem ser paralisadas integralmente. Porém, com as adequações de ritmo e mão de obra necessários aos recursos existentes". A empresa ressalta também que "a equipe destacada segue comprometida em concluir o quanto antes o projeto em benefício da população alagoana, especialmente do sertanejo, que tanto espera a chegada da água para sua subsistência". Até agosto passado, a conclusão do trecho quatro estava previsto para o final de 2020, mas fontes da empresa dizem que tudo depende da continuação dos repasses federais.

  • Homem é levado para hospital, após ameaçar moradores com chave de fenda
    on setembro 23, 2019 at 10:43 am

    Policiais militares da 2º Cia de Maribondo precisaram conter a força um homem que estava ameaçando populares com uma chave de fenda no município, neste domingo (22). Os policiais foram acionados por moradores que estavam assustados com a atitude do homem de 43 anos. Ele estava na Rua do Comércio, no Centro da cidade, ameaçando pedestres com a ferramenta. Chegando ao local, os agentes constataram que se tratava de um paciente psiquiátrico, e que uma pessoa havia sido machucada por ele. Os policiais o contiveram e o encaminharam aos cuidados de seus familiares. Ele foi conduzido ao posto médico da cidade e posteriormente transferido para o Hospital Portugal Ramalho, em Maceió.

  • Em 2018, quase 500 pessoas foram vítimas de acidentes de trânsito em AL, revela estudo
    on setembro 23, 2019 at 10:32 am

    “O seu direito termina quando começa o do outro”. Em algum momento da vida, você já deve ter ouvido essa frase tão popular. No trânsito, por exemplo, essa regra também se aplica e deve ser estendida a todos os motoristas e pedestres a fim de garantir o respeito e a segurança nas estradas. De acordo com um estudo elaborado pela Confederação Nacional do Transporte (CNT), nas rodovias federais que cortam o Estado de Alagoas, no ano de 2018, foram registrados 691 acidentes de trânsito, sendo identificadas 488 vítimas - entre mortos e feridos. Ainda segundo o levantamento, também no ano de 2018, a cada 100 km de rodovia são registrados, em média, 65 acidentes.  Apesar do elevado número de acidentes, o ano de 2018 foi a época com o menor número de casos registrados nos últimos doze anos (2007-2018). O ano de 2013, conforme a pesquisa, foi o período com o maior acúmulo de acidentes de trânsito, contabilizando 2.376 casos registrados nas rodovias federais alagoanas. Ao somar o número de acidentes nas estradas, o estudo aponta que em Alagoas, entre os anos de 2007 e 2018, foram computados 19.670 casos em todo o território federal alagoano. Com destaque não apenas para o número de acidentes, o ano de 2013 também despontou em relação aos outros anos como a época com o maior número de vítimas nas rodovias alagoanas, contabilizando 1.175 vítimas. Apenas no ano de 2018, 91 vidas foram perdidas e, no período de 2007 a 2018, 1.579 casos de mortes no trânsito foram registrados em Alagoas. O levantamento realizado pela CNT mostra também que, ainda em Alagoas, a cada cem acidentes com vítimas, 19 pessoas morreram em 2018. Dados nacionais No Brasil, também nas rodovias federais, no igual período de 2007 a 2018, o levantamento identificou que 69.206 casos de acidentes de trânsito foram registrados, contabilizando o total de 5.269 vítimas que entraram em óbito devido aos acidentes. Além disso, o levantamento mostra também que, entre os acidentes com vítimas registrados em 2018, o automóvel é o principal veículo envolvido respondendo por  64,6% do total de ocorrências (34.852). Logo após, vêm as motos, com 44,4% (23.950); e, em terceiro lugar, estão os caminhões, com 23,4% (12.631). Por outro lado, os ônibus se envolveram em 3,6%, registrando 1.934 ocorrências, e as bicicletas, em 1.851, 3,4% do total de acidentes de trânsito no Brasil. Já no que diz respeito aos trechos das rodovias federais onde acontecem mais acidentes de trânsito, o estudo informou que a BR-101 foi a rodovia com o maior número de acidentes em 2018, contabilizando um total de 168 acidentes com vítimas. Em relação ao número de mortes nas rodovias federais, a BR-101 é o trecho que mais mata. Somente no ano de 2018, 34 vidas foram perdidas neste local.  Causas Na maioria das vezes os acidentes são ocasionados pela falta de atenção dos motoristas. Algumas imprudências são realizadas diariamente por inúmeros motoristas e diversas regiões, como por exemplo, dirigir em alta velocidade, alcoolizado ou utilizando o  aparelho de celular. O grande problema é que habitualmente uma imprudência está sempre ligada à outra. Por exemplo, quem dirige alcoolizado, provavelmente estará dirigindo sem atenção e em alta velocidade. Quem está no celular, supostamente, não está prestando atenção em tudo que está acontecendo ao redor. Além disso, a velocidade pode ser um dos fatores determinantes para causar um  acidente e chegar a afetar outras pessoas que não estejam no veículo. De acordo com a assessoria de Comunicação da PRF, as causas mais comuns de acidentes graves em Alagoas são proporcionadas pelas desobediências as normas de trânsitos, a falta de atenção dos condutores e a ingestão de álcool, assim como a falta de atenção dos pedestres. A PRF aponta que os condutores devem dirigir de forma respeitosa às leis de trânsito, não excedendo o limite de velocidade, não usando o celular enquanto dirige e evitando desviar sua atenção do trânsito. O excesso de velocidade junto com as ultrapassagens proibidas causam colisões frontais que geralmente causam feridos graves ou mortos. *Estagiárias com supervisão da editoria. &nbs

  • Mercado vai valorizar mais comunicação do que capacidade técnica
    on setembro 23, 2019 at 10:07 am

    Menos treinamento e mais relacionamento. No futuro, o mercado de trabalho vai valorizar mais habilidades interpessoais do que técnicas. Essa é uma das conclusões do estudo do Institute for Business Value (IBV), feito pela International Business Machines Corporation (IBM) e divulgado no mês de setembro. Segundo a publicação, nos próximos três anos, 120 milhões de trabalhadores nas dez maiores economias do mundo precisarão de recapacitação profissional como resultado do impacto da utilização de Inteligência Artificial e Automação Inteligente no mercado de trabalho. E essa capacitação não deve ser necessariamente técnica. Só no Brasil, 7,2 milhões de profissionais terão que ser treinados em novas habilidades. E parte desse treinamento vai ter que vir do próprio empregador. “O mercado de talentos está saturado, há uma necessidade da empresa de olhar para a própria força de trabalho”, diz Christiane Berlinck, diretora de RH da IBM Brasil. A pesquisa feita com quase 6 mil CEOs (sigla, em inglês para Chief Executive Officer - Diretor Executivo em português)  de 48 países indica que 59% reclamam de não contar com pessoas, habilidades ou recursos necessários para executar suas estratégias de negócios. Segundo o estudo, o tempo investido para capacitar um profissional em uma nova habilidade aumentou 10 vezes em apenas 4 anos. No Brasil, por exemplo, o tempo passou de quatro para 40 dias. E porque esse movimento ocorre? “Num mundo com tarefas automatizadas a gente vai precisar de uma sofisticação do profissional para garantir a continuidade de capacitação. Na área de tecnologia tem ainda um agravante que a atualização é muito rápida dos sistemas. Talvez seja a indústria que primeiro sofra nesse ponto de escassez de talentos. E por isso a que mais investe na capacitação da força de trabalho”, comenta Christiane. E não é só da capacitação técnica que a diretora de RH está falando. A parte dos 120 milhões de trabalhadores que tem mais chance de despontar deve investir também nas “soft skills”, que dizem respeito à personalidade e ao comportamento. As “hard skills” falam das habilidades técnicas: é saber programar, usar ferramentas e até, para quem, por exemplo, é jornalista, escrever um texto com coerência e sentido.  Segundo Daniel Goleman, no livro Inteligência Emocional, as “soft skills” são as capacidades mentais, emocionais e sociais que as pessoas adquirem ao longo da vida. São conquistadas por vivências, contexto cultural, educação. A escola, a universidade, o grupo de amigos, e como se relacionar com todos esses agentes, fazem parte do pacote desenvolvido pelas “soft skills”. Se essas características começam a se desenvolver já na infância, requerem atenção durante toda a vida, em especial para quem quer trabalhar em um ambiente corporativo. Nesse cenário, a pesquisa concluiu que enquanto novas aptidões estão surgindo rapidamente, outras estão se tornando obsoletas. No caso do Brasil, em 2016 habilidades críticas eram "capacidade de se comunicar efetivamente em um contexto de negócios" e "Recursos técnicos CTEM - ciência, tecnologia, engenharia e matemática". Já em 2018, as duas principais habilidades procuradas foram as comportamentais "gerenciamento de tempo e capacidade de priorizar" e "disposição de ser flexível, ágil e adaptável às mudanças". Para Goleman, as habilidades comportamentais mais importantes são: colaboração, flexibilidade, trabalhar sob pressão, comunicação eficaz, orientação para resultados e liderança de equipe. O autor sugere ainda características que profissionais precisam ter para desenvolver a inteligência emocional como “método emocional de autogerenciamento” (por exemplo, meditação), gerenciamento do tempo (saber priorizar) e apostar na cultura do feedback (permitir que as pessoas avaliem suas habilidades). Para Christiane, desenvolver as habilidades técnicas e as interpessoais é também trabalho das empresas pois isso significa criar um ambiente de trabalho mais flexível, colaborativo e empático.  “Esse mapa de talentos é limitado, se as empresas não fizerem nada para cobrir essa necessidade de mão de obra existe o risco da própria organização não conseguir crescer o seu negócio por falta de pessoas qualificadas”, comenta.

  • Após prisão de suspeitos, Bope apreende 57 quilos de maconha dentro de residência
    on setembro 23, 2019 at 9:52 am

    Durante patrulhamento na noite deste domingo (22), policiais do Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope) apreenderam 57 quilos de maconha de posse de dois jovens, no bairro São Jorge. De acordo com os policiais, os suspeitos foram visualizados no final da grota de São Jorge e tentaram fugir da abordagem, mas um acabou sendo capturado com uma pouca quantidade de drogas. Na revista na residência do suspeito, os militares encontraram o restante da droga armazenada. Danilo Gomes da Silva, 21 anos, e Diego Mendonça Ferreira, 24 anos, foram atuados em flagrante por tráfico de drogas. O material apreendido e os presos foram levados para Central de Flagrantes. &nbs



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *